Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lume Brando

23
Jun17

Bom São João! [Folhados de Sardinha]

piquenique_bx.jpg

Piquenique_sao_joao.jpg

Piquenique_sjoao3.jpg

 

Foram convidados para um piquenique e não sabem o que levar? Querem fazer um arraial e mas estão sem ideias para petiscos? Hoje, véspera de São João, um santo muito querido e venerado aqui no Porto, resolvi publicar uma das receitas mais simples do meu livro "Estava Tudo Ótimo!": uns folhados de sardinha que, feitos em forma de peixe, prometem agradar até aos mais novos. Uma sugestão prática e muito fácil de fazer, perfeita para estes dias, em que se quer aproveitar ao máximo o bom tempo e as atividades no exterior. E em que não queremos perder horas na cozinha!

 

Aproveito para desejar a todos um Feliz São João! E relembro que, hoje à noite, não podem ser lançados balões de São João. Eu sei que é uma tradição bem gira e muito animada, mas com o tempo tão quente e a tragédia de Pedrogão Grande tão presente, devemos colocar a segurança dos nossos pinhais e matas e das nossas populações em primeiro lugar! E claro, se por estes dias fizerem um piquenique, não façam fogueiras ou churrascos!

 

piquenique_sao_joao2.jpg

 

FOLHADOS DE SARDINHA

 

Para cerca de 12

 

2 embalagens de massa folhada fresca retangular

2 a 3 latas de sardinhas em tomate

1 molho pequeno de coentros

Ovo batido para pincelar

Sementes de sésamo para polvilhar

 

Pré-aqueça o forno nos 180º.

Forre um tabuleiro de forno com papel vegetal.

Abra as latas das sardinhas e verta o seu conteúdo para um prato fundo, incluindo o molho. Com uma faca, desfaça grosseiramente as sardinhas.

Retire algum pedaço de espinha que lhe pareça demasiado grande.

Junte os coentros picados e envolva tudo muito bem.

Desenrole as bases de massa folhada e, com um cortador de bolachas em forma de peixe (ou outro), corte porções de massa. Coloque um pouco de recheio por cima de cada porção, mas sem aproximar muito das margens. Humedeça estas com água ou clara de ovo e coloque outra porção de massa igual por cima, pressionando e unindo com as pontas dos dedos a toda a volta.

Vá colocando os folhados no tabuleiro de ir ao forno, separados entre si.

Pincele com ovo batido e salpique com as sementes de sésamo. Marque o olho do peixe com uma semente de sésamo preta ou com um pedacinho de azeitona, por exemplo.

Leve a cozer durante cerca de 20 minutos ou até estarem bem folhados e dourados.

Se for cozinhar várias coisas, deixe os folhados para o fim: quanto mais 'frescos' e estaladiços estiverem, melhor!

 

Outra receita simples e prática com sardinhas de conserva:

Queques de Sardinha

 

Mais receitas para piquenique e outras ocasiões especiais no meu livro Estava Tudo Ótimo!

 

11
Jan13

Vol-au-vent à sobremesa // Vol-au-vent for dessert.





























No frigorífico, havia massa folhada quase a passar de prazo e doce de ovos que tinha sobrado do recheio de um bolo.
Lembrei-me de os juntar e fazer uma espécie de vols-au-vent doces.
Nesse dia, depois de ter deixado alguns para o guloso-mor cá de casa comer à sobremesa, levei os restantes para a reunião de direção da Associação de Pais da escola dos meus rapazes, para mimar os meus colegas.
Tanto em casa como na escola, estas caixinhas elegantes e fáceis de fazer foram um sucesso!

//

In the fridge, there was puff pastry very close to the "best before date", and egg filling leftover from a cake I made. In order to use them, I came up with these sweet vols-au-vent.
That day, after having left some for the one with the big sweet tooth here at home to have for dessert, I took the rest to the Parents Association meeting, to surprise my colleagues.
Both at home and at school, these elegant and easy to make treats were praised!







































Vols-au-vent com doce de ovos

Massa folhada fresca

Doce de ovos caseiro*
Açúcar em pó para polvilhar antes de servir
Cortadores de bolacha redondos de 2 tamanhos diferentes

*Doce de ovos

6 gemas + 1 ovo inteiro
250 g de açúcar
125 ml de água
1 pau de canela
1 pedaço de casca de limão 


Num tacho, levar ao lume a água, o açúcar, o pau de canela e a casca de limão.

Mexer SÓ no início para envolver bem o açúcar na água e deixar ao lume em lume médio SEM mexer.
Entretanto, desfazer com um garfo as gemas e o ovo numa taça de metal ou vidro.
Quando a calda de açúcar começar a ferver bem, bolhas grandes por toda superfície da calda, CONTAR 3 MINUTOS.
Retirar do lume, descartar o pau de canela e a casca de limão e juntar em fio às gemas+ovo, lentamente e mexendo sempre.
COAR esta mistura para o tacho e levar de novo ao lume até engrossar, sem deixar ferver (cerca de 15 minutos).
Guardar em frascos de vidro que fechem bem. Usar depois de arrefecido. Bem fechado, conserva-se durante várias semanas no frigorífico.

Quando quiser fazer os vols-au-vent, pré-aqueça o forno nos 170º.
Estenda a massa folhada e corte círculos com um cortador de bolachas (ex.: 5 cm diâmetro).
Em metade desses círculos, retire um círculo interior com um cortador mais pequeno (ex.: 2,5 cm diâmetro).
Pincele bem os círculos completos com clara de ovo e cole um círculo "furado" por cima de cada um.
Leve a cozer sobre papel vegetal cerca de 10/15 minutos ou até estarem bem dourados e folhados.
Destaque-os do papel vegetal e deixe arrefecer. Pouco tempo antes de servir  recheie com o doce de ovos.
Termine com açúcar em pó.

//

Sweet vols-au-vent

Puff pastry
Traditional portuguese egg filling *
Icing sugar
Round cookie cutters (2 different sizes)

*Egg Filling
6 yolks + 1 whole egg
250 g sugar
125 ml water
1 cinnamon stick
1 piece of lemon peel

In a saucepan, bring to boil the water, sugar, cinnamonstick and lemon peel.
Stir ONLY at the beginning to involve the sugar in the waterand leave to boil over medium heat WITHOUT stirring.
Meanwhile, put the yolks and the egg in a metallic or glassbowl and lightly mix them with a fork.
When the sugar syrup starts to boil, with big bubbles allover the surface, COUNT 3 MINUTES.
Remove from the heat, discard the cinnamon stick and lemonpeel and add, in a slow trickle, to the egg mixture, stirring constantly.
Strain this mixture to the saucepan and cook again untilthickened, stirring constantly and avoiding the boiling point (about 15minutes).
Use after cooling or store in glass jars, tightly closed. Canbe kept for several weeks in the fridge.

To make the vols-au-vent, pre-heat the oven to 170 º.
Roll out the puff pastry and cut out circles with a cookiecutter (eg 5 cm).
In half of these circles, remove an inner circle with asmaller cutter (eg 2,5 cm).
Brush thoroughly the ‘full circles’ with egg white and stickone ‘holed-circle’ on top of each one of these.
Bake on a parchment-lined baking sheet for 10/15 minutes oruntil well browned and flakey.
Tranfer vols-au-vent to wire racks or flat plates to cool.
Shortly before serving fill with the ‘egg jam’.
To finish, dust with icing sugar.


06
Out11

A tentação da maçã.



Adoro tarte de maçã.
E se for feita com maçãs do quintal dos pais ou dos sogros, como foi o caso, ainda melhor!

Desta vez resolvi fazer uma experiência e gostei bastante do resultado: decidi colocar as maçãs, caramelizadas previamente, numa base de creme pasteleiro, para tornar a tarte ainda mais suculenta e gulosa.
Apesar da receita do creme que segui (receita B do livro base da Bimby) não me ter enchido as medidas, ficou bastante agradável.

E finalmente estreei o rolo cortador de massas, que deu aquele aspecto de rede à cobertura, há meses esquecido na gaveta.



Tarte folhada de maçã

5 maçãs grandes
Sumo de limão qb
1 base redonda de massa folhada
3 colheres de açúcar mascavado
1 colher de café de canela moída
1 gema de ovo para pincelar
Açúcar para polvilhar


Para o creme pasteleiro

(eu usei uma receita do livro base da Bimby, mas deixo aqui uma receita da Vaqueiro, para quem não tem Bimby):

2 gemas
50 g de açúcar
30 g de farinha
250 ml de leite
1 casca de limão
1 pau de canela


Pré-aquecer o forno nos 200º.

Fazer o creme pasteleiro: bater as gemas com o açúcar até obter um creme espesso.
Juntar a farinha peneirada e mexer até obter uma mistura homogénea.
Levar o leite a ferver com uma casca de limão e o pau de canela.
Adicionar o leite, lentamente, ao preparado anterior.
Passar para uma panela baixa e levar ao lume mexendo sempre com uma vara de arames até engrossar, sem deixar ferver.
Arrefecer o creme sobre uma taça com gelo.

Entretanto, descascar, descaroçar e partir aos cubos as maçãs, regando-as com limão para que não oxidem.
Numa frigideira anti-aderente, colocar o açúcar mascavado e as maçãs, cozinhando-as até ficaram douradas e macias, levemente caramelizadas. Juntar a canela.
Forrar com a massa folhada uma tarteira pequena (deve ter no máximo 22 cm de diâmetro, se não a massa não vai chegar para a cobertura).
Juntar as sobras de massa, amassar ligeiramente para uni-las e voltar a esticar dando-lhe um fomato arredondado.
Usar o rolo cortador (a primeira vez não é muito fácil e parece que não vai ficar bonito, mas depois no forno a massa abre, dando-lhe aquele efeito de grelha).
Colocar uma camada a gosto de creme pasteleiro sobre a massa folhada.
Por cima espalhar as maçãs e os líquidos que se tiverem formado.
Com cuidado, tapar a tarte com o pedaço de massa folhada reservado.
Pincelar com gema de ovo e salpicar com o açúcar.
Levar ao forno cerca de 25 minutos ou até estar bem dourada.
Se achar que está dourada mas que a massa ainda não cozeu o suficiente, tape com folha de alumínio e deixe no forno mais 10/15 minutos.

Aproveito para lembrar que o Lume Brando também está no Facebook! Façam-se fãs: nem tudo o que aparece lá, aparece aqui ;-)
20
Set11

A entrada mais fácil do mundo. Ou quase.



De vez em quando, gosto de fazer um jantar especial cá em casa, mesmo que sejamos só nós os quatro.
Com direito a entrada, prato principal e sobremesa catita.
Esta foi a entrada algo improvisada num dos mais recentes.
Queria algo muito simples e rápido de fazer, mas que marcasse com alguma personalidade o início da refeição.
E daí surgiu este folhado de alheira, que é mesmo apenas isso: massa folhada e alheira.
Para acompanhar, salteei espinafres num fio de azeite com alho picado, mas qualquer legume verde fica bem.



Folhado de alheira simples

1 alheira
4 quadrados de massa folhada com cerca de 10 cm de lado

Leite ou gema de ovo para pincelar

Pré-aquecer o forno nos 200º.
Abrir a pele da alheira com a ajuda de uma faca, ao comprimento, e dividir o recheio pelos quadrados de massa folhada (as carnes da alheira já são cozinhadas, por isso não há necessidade de a cozinhar previamente).
Dobrar as pontas do quadrado para dentro, fazendo uma espécie de trouxa, pincelar a massa com leite ou gema de ovo e levar ao forno num tabuleiro anti-aderente ou forrado com papel vegetal durante cerca de 20/25 minutos.

Entretanto também já experimentei a versão "familiar", com uma placa de massa folhada redonda, onde coloquei todo o recheio da alheira misturado com os espinafres salteados. Fiz um rolo, levei ao forno e servi às fatias com uma salada de alface, rúcula e tomate-cereja. Fez sucesso!
25
Jul11

Eu podia ser vegetariana #1




Ovolactovegetariana, vá, que quem me tira os ovos, o leite e o queijo, tira-me quase tudo.
Gosto mesmo de legumes e tenho a noção, não sei se perfeita, de que poderia passar sem a carne e o peixe.
E o G. até me acompanhava, mas não tenho assim tantos conhecimentos sobre a dieta vegetariana - que é mais do que comer apenas legumes - para poder estendê-la aos miúdos, para além de que sabemos que o peixe, mais do que a carne, tem muitas coisas boas.

E na verdade, um peixe fresquinho grelhado ou assado, uns bons filetes de polvo, o arroz de costelas da minha mãe ou as almôndegas da minha tia N., entre outros favoritos, deixam-me igualmente feliz.

Mas o título do post vem a propósito desta tarte de curgetes, que há muito queria experimentar, e que achei deliciosa.
Ao servir de prato principal de um jantar leve, acompanhada de uma salada de tomate da época, fez-me sentir o conforto que a mim me dá uma boa receita de legumes no forno.

A minha massa folhada era muito fina (um resto daquelas bases rectangulares frescas*), por isso cozeu rapidamente e tive de retirar a tarte do forno antes das curgetes ficarem douradas.
Mesmo assim, gostei bastante do resultado e estou ansiosa por repeti-la e partilhá-la com mais apreciadores de legumes...



Tarte de Curgete e Parmesão
(Revista Olive - Maio 2009)

1 placa rectangular de massa folhada
3 curgetes cortadas às rodelas finas
2 dentes de alho picados
4 colheres de sopa de queijo mascarpone
50 g de queijo parmesão ralado
Azeite qb


Pré-aquecer o forno nos 200º.
Desenrolar a placa de massa folhada fresca ou esticar com o rolo um bloco de massa folhada descongelada e colocá-la num tabuleiro anti-aderente ou forrado com papel vegetal (o papel vegetal que vem com a massa folhada fresca, por exemplo).
Com uma faca, marcar uma margem com cerca de 2 cm a toda a volta.
Numa taça, juntar as rodelas de curgete, o alho picado e um fio de azeite. Envolver bem e reservar.
Noutra taça, misturar metade do parmesão com o mascarpone (imagino que este se possa substituir por outro queijo-creme, tipo Philadelphia). Barrar com esta mistura a massa folhada, sem invadir as margens.
Dispor por cima as rodelas de curgete, sobrepondo-as ligeiramente e levar ao forno cerca de 15 minutos.
Passado este tempo, retirar e polvilhar com o restante parmesão.
Levar ao forno por mais 15/20 minutos ou até a massa e as curgetes estarem com uma cor dourada bonita.

*Como foi para aproveitar um resto de massa folhada, fiz cerca de metade desta receita.
07
Abr11

Tarte de sobras. Para quando não há sobra de tempo.




Esta experiência já se deu há algum tempo.
Ultimamente não tenho conseguido pegar em receitas novas, mas não queria deixar apagar o Lume.
Remexi mais uma vez nas minhas desorganizadas pastas de fotos e saiu de lá esta tarte de cogumelos e bróculos, que na altura nos soube muito bem.

Não é bem uma receita, é mais uma sugestão de combinação de ingredientes, que no meu caso andavam esquecidos no frigorífico: Massa folhada, Cogumelos salteados em alho e azeite e Bróculos cozidos, aos quais juntei Molho béchamel e 3 ou 4 Ovos.

Forrei a tarteira com a massa, piquei-a e levei ao forno pré-aquecido nos 180º uns 10 minutos. Depois, espalhei no fundo os cogumelos e por cima os bróculos. Temperei o béchamel com um pouco de pimenta preta e noz-moscada, juntei-lhe os ovos, bati bem e verti por cima dos outros ingredientes. Levei ao forno cerca de 35 minutos.
Serviu de prato principal ao jantar, acompanhado de uma salada de alface, couve-roxa e pimento.
21
Mar11

Palmier remix.




Há uns tempos experimentei estes palmiers.
Para além de serem muito fáceis de fazer, são uma entrada que agrada também aos olhos.
Este fim-de-semana decidi variar nos ingredientes e levei esta versão para um almoço em casa dos meus pais.
Fizeram sucesso e são uma ideia muito prática para dias de festa, podendo ser servidos com diferentes recheios.
Wow factor garantido...



Palmiers de azeitona e pimento vermelho

1 placa de massa folhada rectangular
6 colheres de sopa de azeitonas pretas sem caroço picadas
(usei do Continente, descaroçadas e às rodelas)
2 pimentos vermelhos grandes assados de conserva (usei do Lidl, em frasco)
Azeite aromatizado com orégãos qb (ou azeite e orégãos qb)
Sementes de sésamo para polvilhar

Partir o pimento em pedacinhos para uma taça.
Juntar as azeitonas picadas. Regar com um pouco de azeite de óregãos e envolver bem.
Desenrolar a massa folhada. Espalhar o recheio pela massa.
Fechar a massa, enrolando ambas as abas mais compridas da massa sob si mesmas, para dentro, até se encontrarem ao centro.
Apertar bem e envolver em película aderente ou no papel vegetal que vem com a massa.
Levar ao frigorífico cerca de 20 minutos para ficar mais firme.
Cortar às fatias e colocá-las, na horizontal, num tabuleiro anti-aderente. Polvilhar com as sementes de sésamo.
Levar ao forno pré-aquecido nos 200º cerca de 20 minutos ou até ficarem bem folhados e dourados.

Escrevo este post com um grande sorriso: primeiro porque estas fotos ficaram bonitas, comprovando que a máquina chegou como nova, depois do meu pirata mais novo a ter mandado para a assistência técnica (abençoado seguro feito quando a comprámos!). Segundo, porque foi feito no meu fantástico, adorável, lindo de morrer e há muito desejado MacBook Pro ;-)
01
Fev11

Resoluções de ano novo e palmiers de cogumelos.



O primeiro post do ano.
Sabe bem regressar.

Cozinhar mais, experimentar pela primeira vez pratos há muito fixados na minha to do list e publicar de forma mais regular (para além de tratar de personalizar o cabeçalho do blog!), foram alguns dos objectivos que tracei para 2011.

Com a máquina fotográfica avariada (obra dos meus piratas), talvez tenha de deixar a marinar um pouco mais estes planos.
Ou não. Posso sempre revolver as minhas pastas desordenadas de fotografias e repescar receitas e ideias que, por algum motivo, foram sendo deixadas para trás.

Como estes folhadinhos de cogumelos, que nem são assim tão antigos. Devem ter sido das últimas iguarias que a máquina registou, antes de se fechar numa escuridão total e ser encaminhada para quem, espero, a possa recuperar. Faz-me tanta falta, a tramada da máquina! É que nem sequer tenho um telemóvel com câmara.

A ideia destes folhadinhos tirei-a da Continente Magazine nº4. Na altura em que os fiz, não tinha a revista comigo e acabei por fazê-los de cabeça. Serviram de entrada num almoço de família e fizeram bastante sucesso.
Quanto às quantidades... bem, as quantidades não as sei dizer de forma exacta, porque, como quase sempre, fi-los a correr, sem tempo para medições e apontamentos. Sigam os vossos instintos: é tão simples que não há que enganar.



Palmiers de cogumelos e bacon

1 base de massa folhada rectangular
Cogumelos frescos laminados
Bacon partido aos cubinhos
Azeite
Vinagre balsâmico
Sal
Queijo ralado
(mozzarella ou outro)
Sementes de sésamo para polvilhar

Pré-aquecer o forno nos 190º. Levar ao lume numa frigideira anti-aderente o bacon e um pouco de azeite, deixar o bacon fritar um pouco e juntar os cogumelos. Sempre em lume relativamente alto, para que não cheguem a largar muita água.
Juntar umas gotinhas de vinagre balsâmico e deixar cozinhar mais um pouco.
Temperar com sal, se necessário.
Retirar do lume e escorrer se tiver ganho muito líquido.
Numa tábua, picá-los em pedaços uniformes e relativamente pequenos.
Abrir a placa de massa folhada, espalhar a mistura dos cogumelos e por cima o queijo ralado.
Fechar a massa, enrolando ambas as abas mais compridas da massa sob si mesmas, para dentro, até se encontrarem ao centro.
Apertar bem e envolver em película aderente.
Levar ao frigorífico cerca de 20 minutos, para que ao cortar as fatias não se desfaçam.
Depois de refrigerado, retire a película do rolo e corte-o em fatias com cerca de 1 cm/1,5 cm de altura.
Coloque-as na horizontal num tabuleiro anti-aderente ou forrado com papel vegetal. Polvilhe cada fatia com sementes de sésamo e leve ao forno até ficarem bem douradinhos e com a massa bem folhada.

PS.: Um amigo e fã do Lume Brando enviou o meu link para o site da Lusitana (farinhas Branca de Neve/Espiga, entre outros produtos), no âmbito da rubrica "Os Melhores Blogues Portugueses de Culinária". E não é que o Lume Brando foi seleccionado?! Daí o selo alusivo a esta acção, que a partir de agora aparece do lado direito do blog. Pelo que percebi, vou receber em breve um cabaz de produtos Lusitana, para pôr as mãos na massa ainda com mais vontade e motivação. Obrigada N., obrigada Lusitana.
12
Out10

A minha primeira Tarte Tatin...



... foi de pêssego.

Reza a história que a fruta usada na versão original desta tarte - que resultou de um improviso para solucionar o esquecimento da futa ao lume - foram maçãs. A cozinheira criativa foi uma das duas irmãs de apelido Tatin, que nos finais do século XIX geriam um pequeno hotel em França.

O percalço fez tanto sucesso, que ao longo do tempo a técnica de inverter a ordem normal dos ingredientes de uma tarte, colocando a massa 'por cima' antes de ir ao forno, foi sendo adaptada a outros frutos e até legumes.

Num destes últimos fins-de-semana, apoderou-se de mim uma enorme vontade de usar pêssegos numa sobremesa. E saiu esta tarte simultaneamente suculenta e estaladiça que se revelou pequena perante a gula dos comensais.

É muito fácil de fazer, são precisos apenas 4 ingredientes e ficou deliciosa.



Tarte Tatin de Pêssego

4 pêssegos grandes
50 g de manteiga
50 g de açúcar amarelo
1 placa de massa folhada redonda


Descascar os pêssegos e cortá-los em fatias grossas.
Pré-aquecer o forno nos 190º.
Levar ao lume, numa frigideira grande, a manteiga e o açúcar.
Deixar dissolver bem o açúcar na manteiga que entretanto vai derreter e juntar as fatias de pêssego.
Deixar cozinhar em lume médio, mexendo de vez em quando, até a fruta ficar bem dourada e os sucos espessos, mas sem caramelizar demasiado
(o que deve demorar cerca de 25 minutos).
Num prato fundo de ir ao forno redondo, tipo pirex (ou numa forma de bolo anti-aderente), espalhar a fruta e os sucos, cobrir com a massa folhada, pressionando-a de encontro aos frutos e cobrindo-os na totalidade, e levar ao forno cerca de 25/30 minutos ou até a massa estiver bem folhada e dourada e os sucos borbulharem - é inevitável que o molho saia um pouco para os lados.
Retirar do forno, esperar uns 5 minutos e inverter com cuidado para um prato de servir. Este deve ser bem maior do que a forma ou o pirex que se levou ao forno, e o movimento de inversão/passagem deve ser rápido, para se evitarem queimaduras e derrames dos líquidos.
Servir morna com gelado de nata ou baunilha, por exemplo.
25
Abr10

"Croissants" de chocolate vapt-vupt.




Vapt...
Desenrolar 1 base de massa folhada redonda fresca. Com uma faca ou cortador de pizzas, cortar a base em fatias (quanto mais finas as fatias, mais 'croissants' vamos obter). Espalhar, sobretudo junto à parte mais larga de cada fatia, chocolate de culinária aos pedacinhos. Enrolar cada fatia sobre si mesma, começando pelo lado mais largo. Pincelar com gema de ovo, salpicar com amêndoa laminada e levar os rolinhos ao forno, pré-aquecido nos 190º, durante 20/25 minutos ou até estarem bem douradinhos. Deixar amornar e polvilhar com açúcar em pó.
...Vupt.

Teresa Rebelo

foto do autor

Sigam-me

TOP 100 Food Bloggers

TOP 15 Blogs de Culinária Portugueses

Featured on

Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D