Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lume Brando

29
Out13

Tchin-tchin.


Apesar de nunca falar de vinho aqui no blog, é uma bebidabastante apreciada cá em casa.


Durante a semana é raro bebermos, mas osjantares de fim-de-semana costumam ser acompanhados de um bom copo de vinho. Quasesempre as escolhas ficam a cargo do Gonçalo, que tem um nariz e um palato bem mais refinados do que os meus e até já fez um curso de provas.





A marca Quinta da Aveleda não me era por isso desconhecida quando recebi um convite para provar alguns dos seus produtos. Inclusivamente, numas férias de Verão recentes, estivemos na loja da quinta, em Penafiel, a provar e a comprar alguns vinhos.
Na altura fiquei com pena de não termos tempo para visitar os jardins, onde crescem árvores raras e centenárias, jardins esses que contribuíram para o prémio internacional 'Best of Wine Tourism - categoria de Arquitectura, Parques e Jardins', que a Aveleda ganhou em 2011.
Temos por isso de lá voltar em breve e levar os miúdos, disseram-me que vale mesmo a pena fazer a visita guiada à Quinta.

Só podia dizer que sim a este pequeno desafio e, mal recebi os vinhos e o queijo, uma palavra pequenina e alegre veio-me à mente: FESTA.

Este post é por isso dedicado às celebrações, por mais simples que seja o motivo. E se pensarmos bem, há sempre mais coisas pelas quais devemos estar gratos e felizes do que imaginamos.

Não é preciso muito para festejar as pequenas coisas boas da vida à mesa, com a família ou os amigos.  E quando temos bons produtos à mão, o trabalho fica ainda mais facilitado.
Este queijo amanteigado, por exemplo, come-se muito bem à fatia, com umas tostas ou uma compota.
Mas se gostam de sofisticar um pouco na hora de receber, estes vols-au-vent irão fazer sucesso. Podem fazer as caixinhas de massa folhada com antecedência (na véspera por exemplo, desde que as guardem num recipiente hermético) e depois rechear em 5 minutos: cortar algumas fatias de queijo em cubinhos e fazer duas versões: uma com queijo, nozes e mel, outra com queijo, doce de frutos vermelhos e manjericão.

Umas entradinhas elegantes e muito fáceis de fazer, que acompanham especialmente bem o Quinta da Aveleda - Loureiro e Alvarinho 2012, um vinho onde os aromas florais da casta Loureiro e as notas frutadas típicas de um Alvarinho se combinam de forma leve e harmoniosa.

Tchin-tchin!





 









Vols-au-vent agridoces

Para as caixinhas de massa folhada:
1 base rectangular de massa folhada fresca
Clara de ovo
2 cortadores redondos de bolachas (diâmetro 5 cm e 2,5 cm)


Pré-aqueça o forno nos 190º (ultimamente tenho colocado o forno nesta temperatura - mais alta do que costumava, para cozer as caixinhas, e tem resultado bem).
Estenda a massa folhada e corte círculos com o cortador de bolachas de maior diâmetro.
Em metade desses círculos, retire um círculo interior central com o cortador mais pequeno.
Pincele bem os círculos 'completos' com clara de ovo e cole um círculo "furado" por cima de cada um.
Leve a cozer sobre papel vegetal cerca de 12 minutos ou até estarem bem douradas e folhadas.
Destaque-as do papel vegetal. Se achar que algumas das caixinhas estão 'tortas' (mais altas de um lado do que do outro, tente uniformizar pressionando levemente a massa enquanto ainda estão quentes).
Pouco tempo antes de servir, coloque o recheio (se achar que a cavidade da caixinha é pouco profunda, abra-a pouco mais com o cabo de uma colher).

Para os recheios:
Queijo amanteigado Quinta da Aveleda
Doce de framboesa
Folhinhas de manjericão
Nozes
Mel
Sementes de papoila

Corte algumas fatias de queijo e parta-as aos cubinhos.
Com uma colher de café, coloque um pouco de doce de framboesa em metade das caixinhas de massa folhada, e por cima espalhe alguns cubinhos de queijo. Termine com uma folhinha de manjericão (não a descarte ao comer, o contraste de sabores é óptimo!)
Na outra metade das caixinhas coloque os cubinhos de queijo, regue com um pouquinho de mel, espalhe nozes picadas e verta mais um pouco de mel. Termine com sementes de papoila.


PS: ultimamente não tenho conseguido traduzir todos os posts para inglês, mas se alguém precisar da tradução das receitas, é só pedir :)
PS: my days are getting too short to translate all posts into english, but if you are interested in the translation of any recipe, just ask :)


25
Out13

An apple a day keeps the doctor away.


Maçãs e forno são uma boa combinação para aligeirar o tom cinzento dos últimos dias.
Esta semana recebi de um primo uma caixa enorme de maçãs deliciosas, vindas de Trás-os-Montes e, inevitavelmente, à minha cabeça só chegavam receitas de forno.





Crumbles, bolos, tartes... mas para usar apenas uma pequena quantidade das maçãs, pois são tão boas, que seria um crime não comer a maior parte delas ao natural e se possível à dentada.

Esta tarte, feita a partir de fotos e de combinações de ingredientes guardadas de forma caótica no meu imaginário, ficou muito boa. E muito leve. Tão leve, que se eu na altura tivesse uma bola de gelado de nata ou baunilha para acompanhar, não teria ficado com problemas de consciência...

//


Apples and oven are a good combination to lighten up the gray tone of the last days.
This week I received from a cousin a huge box of delicious apples, from Trás-os-Montes, and inevitably, to my head only came oven recipes.

Crumbles, cakes, pies ... but the intention was to use just a small amount of apples, because they are so good, it would be a crime not to eat most of them the natural and biting way.

This pie, made ??from images and combinations of ingredients stored chaotically in my mementos, came out very good. And very light. So light, that if I had a scoop of vanilla ice cream to go with, I wouldn't feel guilty ...









































Tarte leve de maçã e amêndoa

Para a massa:

100 g de farinha sem fermento
50 g de farinha de amêndoa (amêndoa ralada finamente num processador de cozinha)
60 g de manteiga ou Vaqueiro fria partida aos cubos
15 g de açúcar amarelo
1 ovo pequeno

Para o recheio:

3 maçãs grandes
Sumo de 1/2 limão
2 colheres de sopa de açúcar amarelo
Açúcar em pó (ou normal ou amarelo) e canela qb
Uma mão-cheia de amêndoa laminada

Para a massa, junte numa taça ou no copo do processador de cozinha, todos os ingredientes e amasse, ou pulse, até obter uma massa uniforme e macia. Se achar que está a colar, junte um pouco mais de farinha, mas não amasse demasiado.
Embrulhe em película aderente e leve ao frigorífico enquanto prepara as maçãs.
Lave e descasque as maçãs, corte-as às fatias finas e coloque-as num prato fundo, regadas com o sumo de limão e as duas colheres de açúcar amarelo. Reserve.
Pré-aqueça o forno nos 170º.
Retire a massa do frigorífico e estique-a sobre uma superfície enfarinhada, forre a tarteira, forre a tarteira já com a massa com papel vegetal, encha-a de feijões ou pesos de cozedura e leve ao frio mais uns 15 minutos. Depois, leve-a ao forno a cozer durante cerca de 10 minutos, só para impermeabilizar um pouco. Retire do forno, descarte os pesos e o papel vegetal e coloque o recheio, fazendo camadas de fatias de maçã. Entre cada camada, salpique a fruta com uma mistura de açúcar e canela (eu usei açúcar em pó e canela pois já tinha esta mistura feita).
No final, espalhe a amêndoa e volte a salpicar com algum açúcar e canela.
Leve ao forno durante cerca de 50 minutos ou até a fruta estar bem macia e a massa dourada: no início coloquei a tarteira no nível abaixo do médio e no tempo final de cozedura passei para o nível acima do médio, para dourar um pouco mais.

//


Simple and light apple pie

For the dough :

100 g plain flour
50 g almond flour (fine grounded almonds in a food processor)
60 g butter or Vaqueiro cold
15 g of brown sugar
1 small egg

For the filling :

3 large apples
Juice 1/2 lemon
2 tablespoons brown sugar
Powdered sugar (or granulated or brown) and cinnamon to taste
A handful of sliced ??almonds

In a bowl or a food processor, combine all the ingredients of the dough and mix with your hands, or pulse, until the dough is uniform and smooth. If you think it is too sticky, add a little more flour, but do not over knead.
Wrap in cling film and refrigerate while you prepare the apples.
Wash and peel the apples, cut them into thin slices and place them in a deep dish, with the lemon juice and two tablespoons of brown sugar. Reserve.
Preheat the oven to 170 º.
Remove the dough from the fridge and stretch it on a floured surface, line the pie mold with the dough and then line with parchment paper, fill it with beans or baking weights and take to the fridge for 15 minutes. Then bake for about 10 minutes, just to get a kind of a sealed dough. Remove from the oven, discard the weights and parchment paper and place the filling, making layers of apple slices.
Between each layer, sprinkle the fruit with a mixture of cinnamon and sugar (I used powdered sugar and cinnamon because I had already made ??this mix for another use) .
In the end, spread the almonds and sprinkle again with some sugar and cinnamon.
Bake for about 50 minutes or until the fruit is very tender and the pie crust is golden: in the beginning, I put my pie on the 'below the middle' level and at the end of baking time I've changed it to the 'above the middle' level, in order to get a nice golden brown colour.



22
Out13

Bibidi Bobidi Bu!

Há dias em a cozinha é um conto de fadas.
Na história que hoje vos trago as palavras mágicas são açúcar, canela, laranja, limão e cardamomo.
E plim! Eis que uma abóbora se transformou em doce.










Há dias, porque nem sempre as minhas experiências têm um final feliz.
Mas este meu primeiro doce de abóbora deixou-me muito orgulhosa.

Nunca fui de fazer compotas. A minha mãe sempre as fez, e ainda faz, com a fruta madura do seu quintal ou com a fruta que lhe oferecem ou compra às lavradeiras da zona. O seu doce de abóbora talvez seja, a par das rabanadas e deste bolo de maçã, a sua coisa doce mais apreciada e tenho quase sempre um frasco em casa.

Mas quando me vi com esta abóbora, comprada no Mercado de Sabores do Continente por apenas €1, e depois de uma parte ter sido usada na tarte, fiquei tentada a fazer o doce. Consultei o livro-base da Bimby, tentei lembrar-me de receitas que já me tinham passado pelos olhos e fiz a minha própria combinação.

Dos dois frascos e meio que rendeu, já só resta um fundinho de um e ainda que no início tenha pensado em oferecer um dos frascos, a ideia passou-me depressa, tal a gulodice. Temos comido o doce com requeijão, à sobremesa, com tostas, ao lanche, mas os acompanhamentos que me deixaram rendida, foi o iogurte grego natural e a granola que comprei à Joana do Le Passe Vite: um autêntico vício.

Estou com vontade de comprar mais abóbora e voltar a fazer o doce, mas receio que nunca mais fique igual: tenho cá para mim que este jerimu tinha feitiço...



























Doce de abóbora bolina

650 g de abóbora bolina (ou menina) descascada e limpa de sementes
450 g de açúcar
1 pau de canela
3 bagos de cardamomo esmagados
1 pedaço grande de casca de laranja
1 rodela de limão sem pevides


Fiz na Bimby: coloquei todos os ingredientes na Bimby e programei 30 minutos - Vel.1 Temp. 100.
Ao fim deste tempo verifiquei que continuava muito líquido e programei mais 15 minutos na Vel.1. Temp. Varoma. Passado este quarto de hora, achei que ainda não estava como eu queria e programei mais 15 minutos Vel.1. Temp. Varoma, ou seja, no total, o doce cozeu 30 minutos em Vel.1. Temp. 100 + 30 minutos Vel.1 Temp. Varoma.
Retirei o pau de canela e as cascas dos grãos de cardamomo e triturei durante cerca de 15 seg na velocidade 5.

Passei para frascos, deixei arrefecer, tapei e guardei no frigorífico.

Se fizesse de forma tradicional, colocaria todos os ingredientes num tacho de fundo pesado, e deixaria ao lume em temperatura baixa/média, destapado, mexendo de vez em quando até estar na consistência desejada. Retiraria o pau de canela e as cascas de cardamomo e triturava com a varinha mágica a gosto.


PS: ultimamente não tenho tido tempo para traduzir os posts para inglês, mas se alguém precisar da tradução das receitas, é só pedir :)
PS: my days are getting too short to translate the posts into english, but if you are interested in the translation of any recipe, just ask :)

18
Out13

O Mercado de Sabores/porto.come e um miminho de chocolate e limão.

Parece que foi ontem, mas já passaram quase duas semanas desde o Mercado de Sabores do Continente/porto.come.
Finalmente consegui descarregar as fotos e escrever algumas linhas sobre esta fantástica experiência.
Mais abaixo, podem encontrar a receita que apresentei: umas caixinhas de chocolate com lemon curd e framboesa.
































Na verdade, o primeiro fim-de-semana de outubro foi tão intenso que nem sei por onde começar.
Apesar do meu showcooking ter sido no domingo, estive na Alfândega do Porto também na sexta, a assistir à participação da Joana do Le Passe Vite, e no sábado, para ver em acção a Maria João, do Clavel's Cook. Ambas apresentaram receitas deliciosas que pude provar!
E no domingo, ainda consegui assistir ao showcooking da Inês do Ananás e Hortelã. Fiquei com muita pena de não ter estado presente nos showcookings da Isabel, do Cinco Quartos de Laranja, e do Filipe, do Chilli com Todos, mas com os compromissos de fim-de-semana dos meus rapazes, era mesmo impossível conciliar tudo.

Mas nem só de showcookings vive o Mercado de Sabores, e este ano o evento reservava ainda mais surpresas e animação do que em 2012.  Mais bancas, mais produtores, mais petiscos, zonas de degustação dos produtos Continente, animadores vestidos de cantores famosos, discoteca da Popota para os mais pequenos (este ano, o tema do evento era a Música), artistas a grafitarem ao vivo, passatempos em vários pontos do recinto, e de certeza que devo estar a esquecer-me de alguma coisa, tal era o ritmo alucinante do ambiente que se viveu na Alfândega durante aqueles dias.

Relativamente à minha participação, e apesar de algum nervosismo nos primeiros minutos, acho que correu bem, em parte devido à preciosa ajuda de dois alunos da Escola de Hotelaria do Porto - os simpáticos e dinâmicos Rodrigo e Lucas - a quem eu desejo o maior sucesso profissional.

E porque o post já vai com muitas linhas e temos de passar à receita, quero dizer obrigada à organização, pelo convite e toda a simpatia, agradecer também aos familiares e amigos que me acompanharam neste desafio, e dizer-vos que o melhor do evento - para além da emoção de estar atrás daquele balcão e palco enormes - foi ter podido reencontrar algumas pessoas e conhecer outras que comungam desta paixão pela cozinha e gerem blogs e projetos inspiradores. Para além dos autores dos já referidos Le Passe Vite, Clavel's Cook, Chilli com Todos e Ananás e Hortelã, estive ainda com a Luísa de No Mundo de Luisa, a Naida do Frango do Campo, a Rosa do Be Nice Make a Cake, a Ana do Petiscos&Miminhos e a Joana do Coentros & Rabanetes.

Um fim-de-semana tão delicioso, como a sugestão que se segue...

Nota: a foto da minha participação foi retirada da página 'Chef Online' do Continente.








Caixinhas de Chocolate com lemon curd e framboesa


Caixinhasde chocolate*
LemonCurd**
Framboesas frescas
Açúcar em pó

 *Podem ser de compra ou então,seguir esta receita:

Chocolate de culinária (100 g paraaprox. 14 forminhas)
Forminhas desilicone ou papel (tamanho miniqueques ou brigadeiros)

Partiro chocolate em pedaços e levar a derreter em banho-maria (atenção que a água não deve tocar no recipiente do chocolate; este deve derreter apenas com o vapor).
Comuma colher pequena encher o fundo das forminhas e barrar as laterais com ochocolate derretido. Levar ao frigorífico até endurecer. Quanto mais tempo estiverem no frio, mais fácil será descolarem da forma.

**Pode ser de compra ou então,seguir esta receita:

100 mlde sumo de limão
2 ovos L
150 gde açúcar
2colheres de sopa de raspas de limão
60 g de manteiga à temperatura ambiente

Levarao lume o ovo bem misturado com o açúcar e o sumo de limão.
Comum batedor de varas, mexer sempre para não ganhar grumos, até engrossar.
Devedemorar cerca de 8/10 minutos. Retirar do lume e incorporar a margarina empedaços e a raspa de limão. Mexer até a  estar bem derretida e dissolvidano creme. Passar para um frasco esterilizado, tapar, deixar arrefecer erefrigerar. O quesobrar pode ser guardado no frigorífico durante cerca de 15 dias.

Para montar as caixinhas:
Descolarcom cuidado as caixinhas de chocolate das formas (caso não use caixinhas de compra) edispor num prato ou tabuleiro. Com uma colher pequena, encher as caixinhas delemon curd. Colocar uma framboesa por cima e guardar no frigorífico até aomomento de servir. Polvilhar com açúcar em pó antes de servir.


16
Out13

Fall in love.



























Uma tarte com sabores mediterrânicos de Outono, feita com carinho a pensar na Ondina e no seu Coentros & Rabanetes.

Se há uns anos me tivessem dito que eu um dia iria conhecer pessoalmente muitos dos autores dos blogs de cozinha que vou acompanhando, teria respondido que isso era altamente improvável: por ser céptica em relação a amizades iniciadas através de um computador, por ser tímida, por ser insegura, por nunca ter imaginado que em showcookings ou workshops o meu papel pudesse ser outro que não o de participante, por não levar o blog demasiado a sério.





Mas a vida tem essa coisa chamada surpresa. 
E nos últimos tempos, fruto de boas surpresas, tenho vindo a mudar a minha opinião acerca de conhecer pessoalmente quem está por detrás dos blogs que sigo ou dos comentários que me deixam.

A Ondina (ou direi antes, a Joana) foi uma das food bloggers que conheci recentemente, e com quem desde o início criei uma enorme empatia. Somos ambas doidas por loiça e props (na verdade, é uma característica comum a todos os que têm um blog de cozinha e gostam de investir um pouco na componente fotográfica), por revistas e livros de culinária, e acho que podíamos ficar horas no chat a trocar moradas e indicações para lojas, antiquários e feiras de velharias, links para livros e gadgets de cozinha. Mas como não queremos e não podemos cometer loucuras, temo-nos controlado, não é Ondina?

Fiquei por isso muito contente quando recebi o seu convite para um guest post no Coentros & Rabanetes, inspirado na cozinha mediterrânica. Se fazer um guest post era uma honra, fazê-lo sob inspiração mediterrânica seria um prazer.

Foi assim que surgiu esta tarte de ricotta, abóbora e batata doce, enriquecida com espinafres, que levou ainda rúcula e parmesão no momento de servir. Feita com algumas das compras que fiz no Mercado de Sabores do Continente/Porto.Come (evento onde pude conversar mais um bocadinho com a Ondina, ou melhor, a Joana), como a abóbora e a tarteira quadrada, que mal avistei na banca da César Castro soube que tinha de trazer comigo!

E eu, que não sou rapariga de gostar por aí além do Outono e do Inverno, dei comigo apaixonada por estas cores quentes e estes sabores reconfortantes.

Voltando ao início do post, e depois de ter conhecido tanta gente fantástica e inspiradora ligada a este submundo dos blogs de cozinha, de que a Joana (a esta hora já perceberam que Ondina é um nickname) é um exemplo perfeito, vem-me à memória a famosa frase de Julia Child: "the people who love to eat, are always the best people".
E quem sou eu para discordar da senhora dona Julia.

E só agora, quando ia publicar o post, é que dei conta que hoje é o Dia Mundial da Alimentação e o Dia Mundial do Pão. Apesar de não ter sido feito a pensar nisso, acho que este post se enquadra: o melhor do pão e da comida, para além das suas funções óbvias e básicas de sobrevivência, é mesmo a partilha :)

//

An autumm tart with Mediterranean flavors, made ??with love for Ondina and her blog Coentros & Rabanetes.

If a few years ago someone had told me that I would one day personally meet many of the food blog authors which work I regularly follow, I would have answered that it was something highly unlikely: for being skeptical about friendships that start online, for being shy, for being insecure, for never have imagined that in showcookings or workshops my role could be other than being a participant, for not taking the blog too seriously.

But life has a this thing called surprise.
And in recent times, due to a bunch of good surprises, I've been changing my mind about meeting personally the people behind the blogs I read or the comments I receive.

Ondina (or I should rather say, Joana ) was one of the food bloggers I've met recently, and with whom since the beggining I have created an enormous empathy. We are both crazy about tableware and props (actually, this is a common characteristic between all who have a food blog and like to invest a little in the image component), about magazines and cookbooks, and I think we could spend hours talking on the chat, exchanging addresses of stores, antique shops and flea markets, links to books and kitchen gadgets, etc. But as we don't want and can't run amuck, we have been controlling ourselves, aren't we Ondina?

So, I was delighted when I received her invitation for a guest post in Coentros & Rabanetes, inspired by Mediterranean cuisine. If cooking and writing a guest post was an honor, do it under Mediterranean inspiration would be a pleasure.

Thus was born this ricotta, pumpkin and sweet potatoe pie, enriched with spinach, and parmesan, walnuts and arugula on top just before serving. Made with some of the purchases I made in Mercado de Sabores do Continente/ Porto.Come (where I could talk a little bit more with Ondina, or I should say Joana), like the squash and the square tart mold I bought in César Castro stall -  barely I saw it, I knew I had to bring one home.

And even being myself a girl that is not a huge fan of autumn and winter, I found myself in love with these warm colors and comforting flavors.

Returning to the beginning of the post, after meeting so many fantastic and inspiring people linked to this underworld of food blogs, that Joana (by now you've realized that Ondina is a nickname ) is a perfect example, comes to my memory Julia Child's famous quote: "the people who love to eat , are always the best people ." And who am I to disagree with the lady Julia.






























Tarte de ricotta, abóbora e batata doce
(inspirada numa lasanha de Lorraine Pascale)

Para a massa
250 g de farinha sem fermento
125 g de manteiga ou margarina fria
2 ovos pequenos

1 pitada de sal fino

Para o recheio
250 g de queijo ricotta
1/2 embalagem de queijo tipo Philadelphia
2 ovos
Uma mão cheia de folhas de espinafres frescos
250 g de batata doce cozida e descascada
300 g de abóbora bolina limpa e descascada
1 cebola grande (usei roxa)
3 dentes de alho
Pimenta preta acabada de moer
Mistura de Sal c/ Ervas do Mediterrâneo (usei da Margão)
1/4 de copo de vinho branco
Azeite
Pão ralado (opcional)
Rúcula
Nozes
Parmesão ralado na hora

Lave bem as batatas doces e coza-as em água com sal durante cerca de 30 minutos (o tempo vai depender do tamanho das batatas).
Prepare a massa: numa taça coloque a farinha, o sal, a manteiga fria cortada em cubos e os ovos.
Amasse com as pontas dos dedos até obter uma massa uniforme e macia. Se achar que está a colar, junte um pouco mais de farinha. Reserve, embrulhada em película aderente, se possível no frigorífico.
Numa sertã, leve ao lume num fundo de azeite a cebola e os alhos picados. Deixe alourar bem e junte a abóbora cortada em pequenos pedaços. Deixe cozinhar e quando a batata doce tiver cozida e descascada (deixe arrefecer antes de fazê-lo!), junte-a à abóbora. Deixe cozinhar um pouco e refresque com o vinho branco.
Tempere com a mistura de sal e ervas do mediterrânico, pimenta preta acabada de moer e mais sal se achar necessário. Deixe cozinhar em lume brando até os ingredientes estarem bem macios. Rectifique os temperos e retire do lume. Com um espremedor manual de batatas, amasse até obter um puré grosseiro e deixe arrefecer.
Entretanto forre uma tarteira com a massa (vai sobrar massa que poderá usar para outras receitas, inclusivamente doces), pique-a e leve-a ao frigorífico cerca de 30 minutos.
Prepare o recheio, misturando os queijos com os ovos. Reserve.
Pré-aqueça o forno nos 180º.
Encha a tarteira com feijões ou pesos próprios para cozedura e leve ao forno cerca de 10/15 minutos para uma pré-cozedura.
Retire e recheie: a primeira camada será de puré de abóbora e batata doce, a segunda de espinafres e algumas nozes, a terceira da mistura de queijos e ovo. Termine com pão ralado e leve ao forno cerca de 35 minutos ou até estar bem dourada.
Antes de servir, espalhe pelo topo algumas folhas de rúcula, nozes e lascas de parmesão.

Nota: se tiver tempo, pode assar a abóbora e a batata doce e fazer o puré do recheio com estes legumes assados.

//



Ricotta, pumpkin and sweet potato pie
(inspired by a lasagna recipe from Lorraine Pascale)

For the tart dough
250 g plain flour
125 g of cold butter
2 small eggs
1 pinch of fine salt

For the filling
250 g of ricotta
1/2 package of cream cheese like Philadelphia
2 eggs
A handful of fresh spinach leaves
250 g of cooked and peeled sweet potato
300 g of clean and peeled squash
1 large onion (I used red )
3 cloves of garlic
Freshly ground black pepper
Mixture of salt with Mediterranean Herbs (Margão)
1/4 cup of white wine
olive oil
Breadcrumbs (optional )
Arugula
Walnuts
Freshly grated Parmesan

Wash the sweet potatoes and bake in salt water for about 30 minutes (time will depend upon the size of the potatoes).
Prepare the dough: in a bowl place the flour, salt, cold butter cut into cubes and eggs.
Mix with your fingertips until the dough is uniform and smooth. If you think is too sticky, add a little more flour. Form a ball and wrap it in cling film, reserving in the fridge if possible .
In a frying pan with a good splash of olive oil, cook the minced onion and garlic. Let it get soft and lightly gold and add the pumpkin cut into small pieces. Cook, and when the sweet potatoes get cooked and peeled (let them cool before doing so!), add them to the pumpkin. Let it cook a bit and refresh with a little of white wine .
Season with the salt and Mediterranean herbs mixture, freshly ground black pepper and more salt if you think is necessary. Cook over low heat until the ingredients are very soft. Check the seasoning and remove from heat. With a manual potato masher, mash until you get a coarse puree and leave to cool.
Meanwhile, roll out the dough and line with it a pie or tart mold (you'll get dough leftovers that you can use in other recipes, including sweet ones), with a fork, make small holes all over the shortcrust and take it to the fridge about 30 minutes.
Prepare the filling by mixing the cheese with the eggs. Set aside.
Preheat the oven to 180 º.
Fill the tart mold with beans or weights suitable for cooking and bake about 10/15 minutes for a pre-cooking.
Remove and fill: the first layer is the pumpkin and sweet potato mash, the second is spinach and some walnuts, the third is the mixture of cheese and egg. 
Sprinkle with breadcrumbs on top, and bake about 35 minutes or until well browned .
Before serving, sprinkle the top with some few leaves of arugula, walnuts and parmesan shavings.

Note: if you have enough time, you can bake the pumpkin and the sweet potatoes and make the pie stuffing with these roasted vegetables.


09
Out13

"Com A Vaca que ri sabe bem regressar às aulas" // Back to school with The Laughing Cow.


 





























Na floresta encantada d'AVaca que ri, há árvores frondosas, fruta em abundância e um sol sorridente que brilha todo o ano.

Na floresta encantada d'A Vaca que ri, há personagens divertidas e lugares misteriosos, com lanches deliciosos.
Na floresta encantada d'A Vaca que ri, as crianças aprendem que uma vida saudável é feita de uma alimentação completa e variada, combinada com exercício físico e muita gargalhada.

Cá em casa, tudo o que leva pauzinho e é transformado num lollipop costuma fazer sucesso.
Por isso, quando a empresa portuguesa que representa os queijinhos d'A Vaca que ri me desafiou a criar um lanche divertido com os seus produtos, lembrei-me de transformar estes triângulos num gelado instantâneo de queijo. O toque de magia foi dado com uma pincelada de mel e sprinkles coloridos.
Depois, como me fizeram lembrar árvores, decidi criar uma floresta mágica, onde não faltaram algumas macieiras.

De facto, o lanche só com queijo estaria incompleto, por isso, o passo seguinte foi transformar e inventar...

//

In the enchanted forest of "The Laughing Cow", there are big shade trees, fruit galore and a smiling sun that shines all year.
In the enchanted forest of "The Laughing Cow", there are fun characters and mysterious places with delicious snacks.
In the enchanted forest of "The Laughing Cow", children learn that a healthy lifestyle is made of eating a complete and varied diet, combined with exercise and lots of laughs.

Here at home, everything that is transformed into a lollipop, usually turns to be a big success.
So when the Portuguese company that represents "The Laughing Cow" challenged me to create a fun snack with their products, I remembered to turn their cheese wedges into small lollipops. The magic touch was given with a dab of honey and colored sprinkles .
Then, as they looked like trees, I decided to create an enchanted forest, with some apple trees too.

In fact, this kid's snack wouldn't be complete only with cheese, so the next step was to invent and transform ...




Triângulos de queijo divertidos e coloridos

Versão lollipop

Queijinhos triangulares "A Vaca que ri"
Pauzinhos de gelado
Mel qb
Sprinkles coloridos qb

Introduzir o pauzinho de gelado na base do triângulo com cuidado (poderá fazê-lo também com fatias triangulares de maçã, regadas com umas gotinhas de limão).
Pincelar o queijinho com mel (ou geleia) e polvilhar com os confeitos coloridos.
Está pronto a saborear!

//


Fun and colorful cheese wedges

Lollipop way

"The Laughing Cow" wedges
Ice cream sticks
Honey
Sprinkles

Carefully, insert the ice-cream stick in the base of the cheese wedge (you can do this with triangular slices of apple too, drizzled with a few drops of lemon juice).
Brush the little cheese wedges with honey (or jam) and sprinkle with sprinkles.
It's ready to enjoy!



02
Out13

Mercado de Sabores do Continente 2013


Há precisamente um ano, uma imensidão de borboletas irrequietas batiam as asas na minha barriga, por causa disto. Por estes dias, as borboletas voltaram: no próximo domingo, às 15h30, estarei de novo a apresentar uma receita no Mercado de Sabores do Continente/Porto.Come.
Um convite que me deixou muito feliz: apesar do nervosismo, sei que vai ser uma experiência fantástica!

E o que será que vou cozinhar? Só posso dizer que tem um ingrediente que eu adoro: limão!
Mas mais não digo, é surpresa!

Este ano, o Mercado de Sabores vai estar mais animado do que nunca, com os chefs famosos a cozinhar na companhia de músicos: cinco duplas improváveis, em showcookings cheios de ritmo e sabor. Mas para além dos cozinheiros profissionais, este ano o evento conta com uma dose reforçada de food bloggers. Vejam só quem vai fazer companhia ao Lume Brando: Le Passe Vite, Clavel's Cook, Chilli com TodosCinco Quartos de Laranja Ananás e Hortelã.
Isto promete, certo?

E para além das cozinhas - este ano são duas com showcookings non-stop - não vão faltar os produtores nacionais com os mais variados legumes, frutas, queijos, enchidos e vinhos, entre outros produtos, que podem ser provados e comprados ali mesmo, e actividades pensadas para os mais novos. Tudo na Alfândega do Porto, de 4 a 6 de outubro, ou seja, já no próximo fim-de-semana! Saiba mais aquiaqui.

Uma autêntica maratona de coisas boas, que queremos partilhar com os fãs do Lume Brando: temos por isso 10 convites duplos para oferecer!

As primeiras 10 pessoas que responderem correctamente à pergunta que se segue, através de comentário a este post, recebem um convite duplo para um dia do evento à sua escolha!

E a pergunta é:

Com que chef de cozinha irá fazer dupla o músico Miguel Araújo?

Sejam rápidos! Boa sorte!

(os autores dos 10 primeiros comentários com a resposta correcta devem enviar mail para lumebrandoblog@gmail.com com nome completo, nº BI ou CC e dia a que pretende ir ao evento).


Teresa Rebelo

foto do autor

Sigam-me

Levar para o Pinterest

TOP 100 Food Bloggers

TOP 15 Blogs de Culinária Portugueses

Featured on

Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D