Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lume Brando

29
Mai13

Um crumble diferente para um evento especial.








































Os últimos dias (e a bem dizer as últimas semanas) têm sido bastante intensos por aqui.
Preparar workshops, dar workshops (e dar entrevistas...), desafios inesperados e algumas encomendas pelo meio.
O blog tem andado por isso parado, mas hoje tinha mesmo de vos trazer um post em modo de reportagem e uma receita especial.

Realizou-se no sábado passado o evento de que vos falei a favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro. "Uma cozinha pela vida" inseriu-se na iniciativa da Liga "Um dia pela Vida" e foi magistralmente delineado pela Mª João do Clavel's Cook, que convidou o Lume Brando para parceiro desta aventura.
Foi uma honra para mim participar e foi muito reconfortante chegar ao fim cansada, mas sentir toda a plateia entusiasmada e satisfeita.

A palestra do Dr. Bruno Maia, nutricionista e médico (que gentilmente se juntou a esta causa e que no dia aceitou de forma divertida ser nosso ajudante de cozinha) foi muito, muito interessante e reteve a atenção dos participantes, que puderam fazer perguntas e esclarecer diversas dúvidas.

A cooking lesson da Mª João foi deliciosa e pro como ela é, encantou todos os presentes: dos cogumelos à limonada de bagas goji, passando pelos brócolos salteados com amendoins, só se ouvia "Mmmmm.... que bom"!

Depois dos salgados, chegou a hora dos doces com pouco açúcar: crepes que levam azeite com frutos vermelhos, crumble natura e batido de anona (este último não pôde ser provado em todo o seu esplendor, pois as únicas anonas que consegui encontrar já se encontravam num estado algo duvidoso, o que foi uma pena, porque o batido com anona fresca e madura fica mesmo agradável e saboroso).
O crumble natura, adaptado de uma receita que vi no fantástico In the mood for food, fez imenso sucesso e é por isso a primeira receita de sábado a ter lugar aqui no blog.

Quero agradecer uma vez mais à Mª João por esta oportunidade, que para além de me ter permitido apoiar uma causa tão importante, obrigou-me a pesquisar e a aprender mais sobre hábitos alimentares saudáveis. Obrigada também a todos os que se quiseram juntar e contribuíram para o sucesso do evento: aos queridos participantes, à galeria 604 R/C, que cedeu o seu fantástico espaço, à Bonsalt, que forneceu o sal sem sódio especialmente indicado para hipertensos e ofereceu embalagens aos participantes, à Floresta Viva, que contribuiu com deliciosos cogumelos biológicos shitake, à Sabor da Fruta, que forneceu quase todos os legumes e frutas e, finalmente, à DeBorla, que ofereceu à Liga todos os utensílios de cozinha que utilizámos. Um agradecimento especial à Marta e ao Marlon Ayres pela cobertura fotográfica e audiovisual, que irá ajudar a perpetuar na nossa memória este evento tão especial, para não falar que sem as suas imagens este post não seria a mesma coisa.

Para ler o relato da Mª João Clavel sobre o evento é aqui.

E agora, toca a preparar os workshops para o Cozinha de Blogs!

PS: excepcionalmente, este post não foi traduzido para inglês.




























Crumble Natura
(adaptado daqui)

Para cerca de 6 taças pequenas

10 peças defruta não muito grandes (ex.: pêssegos e bananas)
75 g de nozes
75 g de amêndoas com pele
Cerca de 15 tâmaras secas s/ caroço
Canela em pó qb
2 colheresde sopa de mel ou a gosto
Sumo de 1 laranja pequena
2 iogurtes tipo grego naturais sem açúcar
Chocolatepreto para decorar

Levar atostar as amêndoas numa frigideira anti-aderente.
Num processador de cozinha, colocar as amêndoas tostadas e arrefecidas, as nozes e as tâmarasdescaroçadas e triturar em pedaços grossos (não triturar demasiado), até ficar com o aspecto de um crumble.
Passarpara uma taça, juntar a canela e o mel.
Lavar, descascare cortar a fruta em pequenos pedaços.
Regar com o sumo de laranja.
Triturar metade da fruta até ficar em puré e dividir pelas taças.
Colocar por cima fruta em pedaços ecobrir com o crumble. Servir com uma colherada de iogurte e raspas de chocolate preto.


21
Mai13

Há dias para tudo // There's a day for everything.







































Se há dias para tudo, porque não haver um dia especialmente dedicado aos bolos e doces de forno?
O World Baking Day foi celebrado no domingo passado, e este bolo de laranja e chocolate, feito para cantar os parabéns a uma pessoa da família, serviu também para assinalar a data.
Uma data que pretende valorizar o fabrico caseiro e fomentar o regresso à cozinha, enquanto espaço de experiências gratificantes e momentos de partilha.

Bom, para dizer a verdade, aqui em casa quase todos os dias são dias de ligar o forno.
Aliás, não sei o que seria de mim sem um. Há uns meses, o meu forno avariou e a sensação foi de pânico e vazio total. A sorte é que foi um problema rápido de resolver, tratou-se apenas de um botão partido. É que ainda por cima, adoro o meu forno: não sendo de luxo ou profissional, nunca me deixa ficar mal. E para mim, cozinha de conforto é sinónimo de pratos de forno.

Este ano, o movimento World Baking Day apelava a sermos corajosos, a experimentar uma receita diferente e a elevar a fasquia do desafio de fazer um bolo, um pão ou uns muffins...

Não podemos dizer que tenha seguido o briefing à risca, mas este bolo teve para mim uma novidade: foi o primeiro que fiz com azeite. E ficou delicioso, como normalmente acontece com as receitas do Flagrante Delícia. Que o diga a Maria João, do Clavel's Cook, que já o fez mais do que uma vez e me inspirou a experimentá-lo.

Espero que gostem. E não se esqueçam: o World Baking Day é sempre que o cozinheiro amador quiser!

//

If there are days for everything, why not having a day specially dedicated to cakes and baked desserts?
The World Baking Day was celebrated last Sunday, and with this orange and chocolate cake, made ??to sing happy birthday to a family member, I also wanted to mark the date.
A date created to cherish the homemade food and encourage the return to the kitchen, while space of sharing and rewarding experiences.

Well, to tell the truth, here at home almost every day is day of turning on the oven.
Actually, I don't know what would I do without one. A few months ago, my oven broke down and the feeling was of panic and total emptiness. Luckily, the problem was easy to fix, it was just a broken button. Even because I love my oven: it is not a luxury or a professional one, but never lets me down. And for me, comfort food is synonymous of oven dishes.

This year, the World Baking Day movement called to be brave, to try a different recipe and stretch the limits on baking a cake, bread or muffins...

We can not say that I'd followed the briefing to the letter, but this cake was a novelty for me: it was the first one I baked with olive oil. And it turned out delicious, as usually happens with  Flagrante Delícia recipes. Ask Maria João, from Clavel's Cook, who has baked it more than once, and inspired me to give it a try.

Hope you enjoy. And don't forget: World Baking Day is whenever the home baker wants!



























Bolo de azeite e laranja com chocolate
(receita original aqui / uma das versões do Clavel's Cook, aqui)

125 g de iogurte natural
120 g de azeite virgem extra
200 g de açúcar
(150 g para a massa e 50 g para as claras)
2 ovos
Sumo e raspa de uma laranja
180 g de farinha sem fermento
6 g de fermento em pó
100 g de chocolate de culinária
Calda de laranja (opcional)
Ganache de chocolate para rechear e cobrir
Sprinkles dourados para decorar (usei da Vahiné)
Pré-aquecer o forno a 180º C.
Untar bem duas formas com cerca de 20 cm de diâmetro, forrar o fundo com papel vegetal e voltar a untar e polvilhar com farinha (ou usar spray desmoldante). Numa taça, juntar o iogurte, o azeite, 150 g de açúcar, as gemas, a raspa e o sumo de laranja e bater bem. Adicionar a farinha peneirada com o fermento e bater a velocidade baixa (eu usei o batedor de varas e e não peneirei), até ligar todos os ingredientes. Bater as claras em castelo e ir adicionado o açúcar, aos poucos, até que fique com a consistência firme e brilhante de merengue. Incorporar as claras na massa, suavemente. Na versão da foto não usei chocolate na massa, mas ontem repeti a receita e segui as indicações para a versão marmoreada: separar 250 g de massa para outra taça. Derreter o chocolate em banho-maria ou no microondas (neste caso, durante poucos segundos de cada vez e mexendo bem entre cada intervalo de tempo). Misturar bem o chocolate com os 250 g de massa. Colocar as duas massas nas formas alternadamente, usando uma faca ou espátula para misturar e criar o efeito marmoreado. Levar a cozer os bolos durante cerca de 25 minutos ou até que um palito inserido no centro do bolo saia seco. Arrefecer ligeiramente dentro das formas, antes de desenformar. Desenformar, deixar arrefecer completamente, picar os bolos e regar com a calda de sumo de laranja (opcional) e rechear/cobrir com a ganache de chocolate.
Para a calda: sumo de 1 laranja + 1 colher de sopa de açúcar amarelo, levar a ferver e coar antes de usar, ainda quente.
Para a ganache: partir em pedacinhos 200 g de chocolate de culinária para uma taça de vidro ou metal; levar 200 g de natas ao lume num tachinho. Quando começar a fervilhar retirar do lume e verter sobre o chocolate, mexer um pouco, esperar uns 10 minutos e mexer bem com um batedor de varas até estar uniforme e brilhante. Deixe arrefecer bem antes de usar.
//
Orange and olive oil cake with chocolate
(Original recipe here / one of the Clavel's Cooks versions here)
125 g of natural yoghurt

200 g sugar (150 g + 50 g)
120 g of extra virgin olive oil
2 eggs
Juice and zest of one orange
180 g plain flour
6 g baking powder
100 g dark chocolate
Orange syrup (optional)
Chocolate ganache for the filling/frosting (opcional)
Golden sprinkles to decorate (I used Vahiné)
Preheat oven to 180 º C. Grease well two molds about 20 cm in diameter, line the bottom with parchment paper, grease again and coat with flour (or use baking spray). In a bowl, add the yogurt, olive oil, 150 g sugar, egg yolks, orange zest and juice and beat well. Add the sifted flour and baking powder and beat at low speed (I used the whisk and didn't sifted the flour and the baking powder) to mix all the ingredients. Beat the egg whites and add the sugar gradually until you have a firm and glossy meringue. Gently, incorporate the egg whites into the batter. In the version you see in the pictures, I didn't used chocolate in the batter, but yesterday I repeated the recipe and followed the steps for the marbled version: separate 250 g of the batter to another bowl. Melt the chocolate in a double boiler or in the microwave (in this case, for a few seconds at a time and stirring well between each interval). Mix the chocolate with the reserved batter. Pour the two batters alternately into the molds, using a knife or spatula to mix and create the marbled effect. Let bake the cakes for about 25 minutes or until a toothpick inserted in the center of the cakes come out dry. Cool slightly before unmolding. Unmold, allow to cool completely, prick the cakes and moisten them with the orange syrup (optional). Fill / frost with the chocolate ganache.
For the syrup: 1 orange juice + 1 tablespoon brown sugar, bring to boil and strain before using, still warm.
For the ganache: cut in little pieces 200 g of dark chocolate into a glass or metal bowl; heat 200 g of cream in a pan. When it starts to simmer remove from heat and pour over the chocolate, stir a bit, wait about 10 minutes and stir well with a whisk until creamy and shiny. Allow to cool thoroughly before using.

17
Mai13

No Food Revolution Day, um sal e um workshop diferentes. // Another kind of salt and workshop.

 























































Hoje é o Food Revolution Day, criado pelo enérgico Jamie Oliver para consciencializar para a necessidade de criação de hábitos alimentares mais saudáveis, que combatam e previnam a obesidade e os riscos que lhe estão associados.
E ainda que este projecto tenha nascido da experiência de Jamie nas escolas de Inglaterra e dos Estados Unidos, a verdade é que um pouco por todo o mundo, incluindo Portugal, o número de adultos e crianças com excesso de peso é cada vez maior e por isso este movimento tem assumido contornos cada vez mais globais.

De uma forma mais discreta, o Bonsalt - sal sem sódio indicado sobretudo para quem sofre de hipertensão (problema muitas vezes associado à obesidade), tem também vindo a fazer a sua food revolution.
Até porque pode ser usado com carácter preventivo, por todos os que se preocupam com a sua saúde, mas não querem abdicar do sabor da comida.

No fim-de-semana passado, pude conhecer melhor o Bonsalt: foi num workshop que a marca organizou no charmoso Cooking and Nature Hotel e onde sete food bloggers tagarelas, uma blogger nutricionista e respetivos acompanhantes, cozinharam o seu próprio jantar, sob as indicações da equipa do restaurante do hotel.

E que divertido que foi! Do menu constava uma sopa de tomate maravilhosa, um naco de vitela com espetadas de batatinhas e tomate cereja e panquecas com gelado de morango, sempre com a presença do Bonsalt, que se usa tal e qual o sal normal.

Uma experiência memorável, à qual não foi alheio o local escolhido: situado em pleno Parque Natural das Serras D'aire e Candeeiros, o Cooking and Nature apresenta ele próprio um conceito de hotel diferente, onde o restaurante está por conta dos hóspedes: depois de escolhido o menu, a equipa do hotel prepara os ingredientes e os utensílios, e os hóspedes ficam apenas com a melhor parte: o prazer de cozinhar e comer num espaço tão bonito que apetece que fosse a nossa casa.

Mas o bom gosto e o conforto não se esgotam na cozinha: todo o hotel é feito de detalhes surpreendentes. Os quartos têm todos um tema diferente, mas todos com uma vista agradável sobre a natureza. O nosso foi o Curiosity, e só quando me vinha embora reparei no gnomo, que espreitava no fundo de uma parede por uma espécie de buraco da fechadura!

Obrigada Bonsalt por esta oportunidade, e obrigada a estas meninas pela agradável companhia:

Ananás e Hortelã
Frango do Campo
Hoje para jantar...
Marmita
O Essencial é invisível aos olhos
Tapas na Língua
Nitrucionista

PS: a foto em que apareço a cozinhar foi tirada pela Vera do blog "Hoje para jantar...". Obrigada!

//


Today's Food Revolution Day, created by the unstoppable Jamie Oliver to raise awareness for healthier eating habits, to fight and prevent obesity and the risks associated therewith.
And even though this project was born from the experience of Jamie in the schools of England and the United States, the truth is that all over the world, including Portugal, the number of adults and children who are overweight is increasing giving this movement global contours.

In a more discreet and gradual way, Bonsalt - a salt without sodium, mainly indicated for those suffering from hypertension (problem often associated with obesity), has also been making its own food revolution. By the way, this salt can also be used preventively, by all who care about their health, but do not want to give up the taste of the food.

Last weekend, I got to know better Bonsalt, in a workshop hosted in the charming Cooking and Nature Hotel, where seven babblers food bloggers, a nutrition blogger and respective companions, cooked their own dinner under the directions of the hotel team.

And how fun it was! The menu consisted in a wonderful tomato soup, veal steak with potatoes and cherry tomatoes kebabs, and pancakes with strawberry ice cream, always with the presence of Bonsalt, which is used just like the normal salt.

A memorable experience, which was not unconnected with the chosen location: situated in the Natural Park of Serras D'aire e Candeeiros, the Cooking and Nature presents itself as different concept hotel, where the restaurant is on guests' account: after chosen the menu, the hotel staff prepares all the ingredients and utensils and guests only get the best part: the pleasure of cooking and eating in a space so beautiful as you'd like your home to be.

But the good taste and comfort do not end in the kitchen: the entire hotel is made of amazing details. The rooms all have a different theme, but they all offer a nice view on the nature surroundings. Ours was Curiosity, and only when I was coming out I noticed the dwarf lurking by a kind of keyhole in the wall!

Thanks to Bonsalt for this great opportunity, and thanks to these girls for the pleasant company:

Ananás e Hortelã
Frango do Campo
Hoje para jantar...
Marmita
O Essencial é invisível aos olhos
Tapas na Língua
Nitrucionista

PS: the picture where I'm cooking was taken by Vera from "Hoje para jantar ...". Thank you!

15
Mai13

Cupcakes de Lilliput // Cupcakes from Lilliput.


Gosto muito da combinação laranja & chocolate.
Gosto muito de lemon curd.
Não gosto nada de orange curd...

Mas gostava de gostar, porque estes cupcakes lilliputianos ficaram lindos e foram aprovados com distinção pelo provador-mor cá de casa.

A ideia de fazê-los surgiu no dia em que conheci a querida Mª João Clavel, do Clavel's Cook.
Já nos falávamos via facebook há algum tempo, descobrimos que morávamos perto e conhecíamos pessoas em comum, e um dia decidimos ir tomar um café. O encontro foi aqui, um espaço giro e com atendimento simpático e muitas coisas boas nas vitrines, incluindo uns docinhos parecidos com estes, engenhosamente feitos a partir de uma caixinha de chocolate frisado e vários recheios.

Nunca mais me saíram da cabeça. E como adoro chocolate e laranja, resolvi dar uma segunda hipótese ao orange curd. Mas, decididamente, há ali qualquer coisa incompatível com as minhas papilas gustativas.

Quem não apreciar, como eu, coalhada de laranja (julgo ser este o nome português para este creme), não desanime: já estou a imaginar estas caixinhas de chocolate recheadas com mousse, ganache, polpa fresca de fruta, creme pasteleiro aromatizado, e até minibolas de gelado... encarem este post apenas como uma sugestão!

E por falar em sugestão, no final do post deixo-vos mais uma: um evento de cozinha saudável, com palestra e cooking lesson, a favor da Liga Portuguesa contra o Cancro. Será no Porto, no dia 25 de Maio. Informações e inscrições aqui!

//


I love the combination of chocolate & orange.
I really like lemon curd.
I do not like orange curd ...

I'd love to love it, because these Lilliputians cupcakes were beautiful and passed with distinction by my husband's demanding taste.

I came up with the idea of making them on the day I met dear Maria João Clavel, from Clavel's Cook. We were talking via facebook for some time, we discovered that we lived nearby and knew people in common, and one day we decided to go for a coffee in here - a very nice space with courteous service and many good things in the windows, including some sweets like these, ingeniously made ??from little chocolate cases and various fillings.

Since them, they never left my head. And once I love chocolate and orange, I decided to give a second chance to orange curd. But, definitely, is there anything incompatible with my taste buds.

Who don't enjoy, like me, 'coalhada de laranja' (I believe this is the Portuguese name for this kind of custard), do not be discouraged: I'm already imagining these boxes stuffed with chocolate mousse, ganache, fresh pulp of fruit, flavored custards, and even ice cream ... Look upon this post just as a suggestion!

And speaking of suggestions, at the end of the post I make one more: an event on healthy cooking, with a lecture and a cooking lesson, in favor of the 'Portuguese League Against Cancer'. It will take place in Porto, on May 25th. Informations here!

Microcupcakes de chocolate e laranja

Para cerca de 16

16 caixinhas de chocolate frisado*
1 dose de orange curd ou outro recheio a gosto
Saco e bico pasteleiro em forma de estrela

Orange curd:
Raspa de 1 laranja
150 ml de sumo de laranja
1/2 chávena de açúcar
2 ovos
1 colher de chá de amido de milho (Maizena)
45 g de manteiga ou margarina

Leve ao lume num tacho todos os ingredientes bem misturados, excepto a Maizena e a manteiga.
Mexa sempre até começar a ficar mais espesso (cerca de 10/15 minutos). Retire uma colher de sopa do creme do tacho para uma tacinha e junte-lhe a colher de chá de Maizena. Desfaça bem a farinha no creme e verta de novo para a panela. Continue a mexer até engrossar (uns cinco minutos). Retire do lume e junte a manteiga partida em pedaços. Mexa até a manteiga estar bem derretida e dissolvida. Verta para um frasco, deixe arrefecer, e guarde no frigorífico pelo menos 12 horas antes de usar.

Disponha as caixinhas de chocolate num prato, encha o saco pasteleiro com o creme e recheie. Guarde-as no frigorífico se não forem para servir de imediato.

*Tomei o atalho e comprei-as aqui. Mas também pode fazê-las em casa: derreta chocolate, encha com este forminhas frisadas de silicone e retire de imediato o excesso, ficando apenas o fundo e as laterais das forminhas revestidos a chocolate. Leve a secar ao frigorífico e repita a operação para tornar as caixinhas de chocolate mais resistentes. Deixe secar novamente e descole as forminhas de silicone com cuidado.

//


Chocolate and orange microcupcakes

For about 16

16 little chocolate cases *
1 batch of orange curd or other filling
Pastry bag and star-shaped tip 

Orange curd:
Zest of 1 orange
150 ml of orange juice
1/2 cup of sugar
2 eggs
1 teaspoon cornstarch
45 g of butter or margarine

In a saucepan, mix well all the ingredients, except cornstarch and butter, and cook them over medium heat, stirring constantly until it starts to get thick (about 10/15 minutes). Take a tablespoon of the curd into a little bowl and add the teaspoon of cornstarch, giving it a good stir. Pour this mixture into the pan again and keep stirring until thickened (about five minutes). Remove from the heat and add the butter in small pieces. Stir until the butter is well melted and dissolved. Pour into a jar, let cool and store in the fridge at least 12 hours before use.

Arrange the little chocolate cases on a serving plate, fill the pastry bag with the orange curd and fill the chocolate cases with it. Keep them in the fridge if not serving immediately.

* I took a shortcut and bought them here. But they can also be made at home: melt dark chocolate, fill little silicone cases with the melted chocolate and immediately remove the excess, leaving only the bottom and the sides of the cases coated. Let dry in the fridge and repeat with more melted chocolate to thicken the chocolate case. When dried, remove the silicon case carefully.





08
Mai13

Almoço de mães e um bolo à moda antiga. // Mother's Day lunch and an old-fashion cake.






















































Este ano, pela primeira vez, o almoço do Dia da Mãe foi cá em casa.
Soube muito bem receber as mães mais próximas da família, à excepção da minha sogra, que infelizmente não pôde estar presente.
E se o dia era de festa, a mesa - ou as mesas, pois éramos dezassete - tinham de estar à altura.

Se pudesse, tinha todos os dias a casa cheia de flores frescas, mas como vivo num apartamento, isso é financeiramente impossível e vou aproveitando estas datas especiais para trazer cá para dentro um pouco de Primavera.

Margaridas e cravinas em potes de vidro convertidos em jarras, loiça e toalhas brancas, argolas de guardanapo improvisadas, uma tulipa a marcar o lugar das mães... E de repente, a sala estava pronta para um almoço onde o sol também se sentou à mesa.

O menu foi simples e pouco trabalhoso: eu fiz uma espécie de salada caprese gigante e havia grissinos para acompanhar, a minha cunhada D. trouxe um folhado de cogumelos e o prato principal foi leitão assado daqui a pedido da minha mãe (estava uma delícia, mesmo para quem não é grande apreciador, como eu).
À sobremesa, para além de fruta, havia a famosa mousse de chocolate da minha cunhada R., o melhor bolo de chocolate da família, do meu irmão N., esta sobremesa de suspiros e frutos silvestres, e ainda o protagonista deste post: um bolo de coco vintage, baptizado assim por mim, à falta de nome melhor que o distinga dos bolos de coco habituais.

Vi a receita na Saveurs de Abril e a foto na revista conquistou-me de imediato.
Só quando comecei a fazer o bolo é que me apercebi de que se tratava de uma massa tipo pão-de-ló, mas com a ordem de junção dos ingredientes diferente, e que o recheio e a cobertura eram uma espécie de creme pasteleiro de coco.

É um bolo fofo e muito leve, cuja cobertura e recheio faz lembrar leite-creme e por isso nos remete para os bolos e para as sobremesas de antigamente. Por cá ficou aprovado, tanto pelo sabor, como pelo seu look romântico.

//

This year, for the first time, our Mother's Day lunchwas at my place.
It was very nice to get together the closest mumies ofthe family, except my mother-in-law, who unfortunately could not come.
And if the day was a special one, the table, or the tables,because we were 17, had to match the occasion.

If I could, my home would be always full of freshflowers, but as I live in an apartment, that is financially impossible, so I chosethese special moments to bring inside a bit of spring.

Daisies and carnations in glass jars converted toflower vases, white tablecloths and white tableware, DIY napkin rings and a tulip tomark the place of mothers ... And suddenly, the dining room was ready for a lunchwhere the sun also sat at the table.

The menu was a simple and no-fussy one: I made a kind of giant capresesalad, served with grissini, my sister-in-law D. brought a mushroom pie and the maincourse was roast suckling pig, from here, at my mother’s request (it was delicious,even for someone who is not very fond of suckling pig, like me).
For dessert, we had fruit, the famous chocolate moussefrom my sister-in-law R., the best chocolate cake in the family, from mybrother N., this meringue and berries dessert , and also the star ofthis post: a vintage coconut cake (I decided to call it like that to distinguishit from the more usual coconut cakes).

I saw the recipe in Saveurs (April edition) and thephoto in the magazine won me over immediately.
Only when I started baking it, I realized that it wasa kind of sponge cake (with the ingredients added in a different order I’m usedto), and the filling/frosting was coconut custard.

It’s a very light and fluffy cake, whose filling/frostingreminds our grandmothers’ traditional custard. 
Approved! Both for flavour andromantic look...









































Bolo de coco 'vintage'
(Saveurs Magazine)


Para o bolo:
6 ovos
200 g de açúcar em pó
100 g de farinha

Para o recheio e cobertura:
1 vagem de baunilha (usei da Vahiné)
75 g de amido de milho (usei Maizena)
150 g de açúcar em pó
6 gemas
500 ml de leite
250 ml de leite de coco
100 g de coco ralado para decorar (aprox.)

Começar por preparar o creme: juntar as gemas ao açúcare bater vigorosamente com uma vara de arames durante dois minutos, até se obterum creme esbranquiçado e leve.
Juntar o amido de milho e mexer bem.
Levar o leite e o leite de coco ao lume num tacho,juntamente com o interior (as sementinhas pretas, retiradas com a ponta de umafaca) da vagem de baunilha e deixar fervilhar durante 10 minutos.
Juntar à mistura de ovos, açúcar e amido de milho, mexendosempre. Verter de novo para o tacho e levar a ferver sem parar de mexer paranão ganhar grumos, até engrossar.
Passar para uma taça, cobrir com película aderente edepois de arrefecido guardar no frigorífico pelo menos 2 horas (eu fiz o cremede véspera).

Para fazer o bolo: ligar o forno nos 180º.
Untar bem duas formas redondas com cerca de 20 cm dediâmetro.
Separar as gemas das claras e bater estas em castelobem firme. Juntar as gemas às claras, a seguir o açúcar e por fim a farinha. Dividir a massa pelasduas formas e levar a cozer cerca de 25 minutos ou até estarem bem dourados eum palito sair limpo do seu interior.
Desenformar e deixar arrefecer.

Para montar: colocar um dos bolos no prato de servir,barrar com uma quantidade generosa de creme, colocar em cima o outro bolo ebarrar com o creme. Terminar com coco ralado.

//

'Vintage' coconut cake
(Saveurs Magazine)

For the cake:
6 eggs
200 g of icing sugar
100 g flour

For the custard:
1 vanilla pod (I used Vahiné)
75 g of corn starch (I used Maizena)
150 g of icing sugar
6 egg yolks
500 ml milk
250 ml of coconut milk
100 g shredded coconut to decorate (approx.)

Start with the custard: add the egg yolks to the sugar andwhisk vigorously for two minutes, until you get a creamy and light mixture.
Add the corn starch and mix well.
Bring the milk and coconut milk to the boil in a saucepan,along with the the black seeds of the vanilla pod (taken with the tip of aknife) and let simmer for 10 minutes.
Add to the egg, sugar and corn starch mixture, stirringconstantly. Pour back into the saucepan and bring to a boil stirring constantlyto avoid lumps, until thickened.
Transfer to a bowl, cover with cling film and let coolbefore refrigerate at least 2 hours (I made this the evening before).

To make the cake: turn on the oven to 180 º.
Grease two round moulds (about 20 cm diameter).
Separate the yolks from the whites and whip these tillthey form stiff peaks. Add egg yolks, icing sugar and finally the flour. Divide thebatter between the two moulds and bake about 25 minutes or until golden brownand a wood skewer comes out clean from the inside. Unmold and let cool.

To assemble the cake: place one cake on serving plate, spreadwith a generous amount of custard, place the other cake on top and frostall the cake with remaining custard. Finish with shredded coconut.


02
Mai13

Falar ao coração. // Heart talk.




























No próximo domingo, vamos dizer coisas bonitas às mães da nossa vida?
E se juntássemos às palavras algo doce e feito por nós?
Aqui fica a ideia que criei para a 3ª edição da revista Paper and Cotton, onde encontram várias sugestões giras de arts&crafts.
Façam aqui o download gratuito da revista e vejam o passo a passo destas bolachinhas faladoras.

Feliz Dia da Mãe!

//

Next Sunday, let's tell our mother beautiful things.
What if we combined the words with something sweet and homemade?
Here is the idea I created for the 3rd edition of Paper and Cotton magazine, which includes other cool arts & crafts suggestions.
Click here to download the magazine for free, where you can see the step by step of these 'talking cookies'.

Happy Mother's Day!



Teresa Rebelo

foto do autor

Sigam-me

TOP 100 Food Bloggers

TOP 15 Blogs de Culinária Portugueses

Featured on

Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D